Prato Guilhermina Suggia
MInho
Lindo parto pintado a mão, de homenagem a Guilhermina Suggia.Guelhermina Suggia foi a primeira mulher violoncelista a tocar no Carnegie Hall e a primeira a ser convidada como solista pelas Orquestras Sinfónicas de Boston e de Chicago.

Guilhermina Suggia nasceu no Porto em 1885, filha do professor de violoncelo, Augusto Suggia, mas, veio residir ainda na infância para Matosinhos, quando o pai, a convite da Santa Casa da Misericórdia é convidado para o cargo de professor nas escolas da localidade. É em Matosinhos, na Rua do Godinho, que Guilhermina se inicia nas aulas de violoncelo, sob as orientações de seu pai. E, é também em Matosinhos, no ano de 1892, aos 7 anos de idade, que se apresenta ao público, no salão da então distinta Assembleia de Matosinhos, causando grande assombro no público. Após este concerto, seguir-se-ão outros: no Clube da Foz, no Teatro Gil Vicente, no Grémio de Matosinhos, no Clube de Leça e em todas as temporadas artísticas do Orpheon do Porto, sempre com as melhores críticas. Fruto do seu forte empenho, talento e personalidade, será agraciada aos dezassete anos, pelo rei D. Carlos, com uma bolsa para continuar os seus estudos no Conservatório de Leipzig, onde teve como mestre Jules Klengel. Esta oportunidade de aprofundamento do que já havia aprendido com seu pai e com Pablo Casals, seu mestre, colega e companheiro de vida (até 1913), permite-lhe conhecer os grandes músicos europeus da altura, alargar horizontes e tornar-se na primeira e mais famosa violoncelista europeia do seu tempo, com uma carreira imparável de concertos por todas as grandes salas e teatros da Europa: Inglaterra, Bélgica, Holanda, Itália, Suíça, França, Espanha, Escandinávia, Rússia, Alemanha…e, claro, nas grandes salas de Portugal, fazendo vibrar o público, entusiasmado com as suas interpretações. Ela afirma-se felicíssima, agradece o delírio do público e, sempre incansável e profissional, repete várias vezes os concertos a pedido desse mesmo público. A sua carreira, não a faz esquecer as suas raízes, a sua terra, os seus familiares e amigos, que não pode visitar tantas vezes quanto deseja, porque é muito pouco o tempo livre que possui entre as temporadas de concertos, o estudo e as viagens. A sua carreira no estrangeiro só será interrompida durante a Segunda Guerra Mundial, dedicando-se Suggia, então já esposa do Dr. Carteado Mena, médico do Porto, ao ensino do violoncelo em Portugal. Regressará depois aos palcos. Em 1950 regressa a Portugal. Muito doente, morre na sua casa do Porto, na Rua da Alegria, 665, em 30 de julho de 1950.
O espólio Guilhermina Suggia existente na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, integra várias séries de documentos, entre as quais: manuscritos, correspondência pessoal e oficial, fotografias, muitos programas de concertos e alguns convites, recortes de jornais, revistas, certificados, cartazes e, outros, entre centenas de documentos.
IN: MATOSINHOS. Câmara Municipal, 15 Tesouros de Matosinhos: 500 anos do foral [1514-2014], p. 25
 
Composição
Prato a faiança de 40 
Comprar
Preço
70,00€
Adicionar à wishlist
Subscreva a nossa
Newsletter
Marcas
Portuguesas concerteza
2Bstrong 2Bstrong Web Rádio Portugal Online Web Rádio Portugal Online
Ao usar este website, está a aceitar a utilização de cookies para análise, conteúdo personalizado e apresentação de anúncios.